Mural Verde apresenta...

Minha foto
Salvador, Bahia, Brazil
...sou aquilo que me der na telha e que se assemelha ao que você bem entender. (Jay Vaquer)
quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Uma história de coragem e desejo

Éramos fantasia apenas
Como uma história inventada
Daquelas que a gente pinta o final

Só que dentro de nossos quartos
Tínhamos medo de errar
A gente não tinha pena dos neurônios
Nós precisávamos tentar

De tão Sonhadores natos, tolos
Esquecemos da vida real
Nem um pouco sensatos
Não pensamos que nesse conto
Deveria ter um final

Precisávamos dar lugar
Pra cabeça esfriar
Ter certeza de tudo
Pra então lembrar:
“Isso não se trata de sonhar.”

O sonho se foi nos poemas
Nas noites em claro
Nos beijos calcados de desejos

Essa aventura nos transformou em segredo
Mas não é o segredo que não se diz por medo
Esse segredo é o sonho de quem tem as chaves
Quem idealiza e realiza a idealização
De quem ama sem medo
De quem regra o receio
Pra não atrapalhar a viagem da emoção
Foi ouvindo os nossos sonhos
Não menos medonhos
Que hoje nos propomos continuar a vida
Com coragem de sonhar
terça-feira, 29 de outubro de 2013

...

29 out 2013
Terça
23:00

- Hoje não fiz nada de útil.
- Tem dias que estamos assim mesmo...
sem ânimo... sem vontade e coragem...
- Ou simplesmente vagabundagem.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Minh'alma




Minh'alma chama por socorro
Pede, por favor, pra sair desse lugar
Pede pra chegar onde não há
Tanta malandragem
Tanta mentira
Tanta mesquinhagem

Minh’alma quer sossego
Quer distância de todo exagero
Quer ausência de religião
Quer ausência de tudo que é normal
De tudo que é padrão

Minh’alma tem sede
De liberdade
De ver o sol se pôr
De falar a verdade
De um amor sem vaidade

Minh’alma quer na varanda  se sentar
Ver o dia clarear
Enquanto o vapor quente do café
Desmancha-se pelo ar...

Minh’alma quer acreditar
Nas atitudes boas da vida
No sacrifício de toda subida
No desejo de todo ser apaixonado

Minh’alma quer ver o sol se por
Enquanto o sono vem
Junto com um livro que se lê bem
Na hora de dormir
domingo, 27 de outubro de 2013

Ainda

Ainda lembro
Ainda leio
Ainda que seja cedo
Ainda que seja tarde
Não sabemos ainda
Eu diria que é cedo e tarde
Ainda que você possa dizer o contrário
Entre nós ainda...

Essa tarde despreocupada

Passei a tarde comigo
Conversando com meu sono e o meu umbigo
Concordamos em sentir o vazio
Concluimos que a falta que a falta faz
Não faz tão mal assim...
Continuo sentindo sono
Continuo sentindo fome
Lendo livros
Ouço os pássaros a cantar...
Sinto o calor do sol
A chuva ainda me molha
É...
Tá tudo bem.

A dinâmica de sua transferência

Transfere tudo
Passa tudo pra lá
Finge que não aconteceu nada
E inventa um novo lugar
Hipocritamente
Pateticamente
Se põe a negar
Que houve algo mais
Mas logo logo
Estarás  a migrar
Outros diriam pra fugir

Eu diria:
deixa entrar...
sexta-feira, 12 de julho de 2013

Espera

Eu deito sob os meus cabelos
Imaginando os feitos da vida
E os meus segredos
Meus desejos guardados
Meus sonhos derramados

Eu deito nessa solidão
E imagino um grande salto
Para longe dessa realidade viva
Para longe de tudo que já vivi

Na espera de algo novo
Na espera do inimaginável
Na espera do improvável
Na espera de tudo que ainda não vi

segunda-feira, 8 de julho de 2013

O que me atrai


O que me atrai
É esse seu jeito de me olhar
Quando aperta os olhos
com vontade de enxergar

Aquilo que não se pode ver
Aquilo que não se pode pegar
Muito menos negar

E aí quando me vejo
Já estou de novo a te querer
E quando ninguém imagina
A danada da saudade
me pega na esquina
sábado, 29 de junho de 2013

O amor não escolhe


Não escolhe cor
Não escolhe sabor
Não escolhe tamanho

O amor atormenta
O amor inventa
E alimenta dragões

De repente...
No meio do início
No caminho dos indícios
fico à beira do hospício

E fico tentando entender
Rodopiando entre todas as questões
Indo e vindo com minhas emoções

Então começa a clarear
Como é louco essa coisa de amar
Amamos sem porque
Queremos por querer

Um querer amar
Que é mais fundo,
Vai além da camada da alma
E cai no precipício do coração
segunda-feira, 20 de maio de 2013

Falando de amor


Amor é dançar até os pés gritarem
Amor é dançar sem se cansar
Amor é ter que correr contra o vento
Amor é deixar o vento te acompanhar

Amor...
Amor é largar tudo pra te ver
Amor é não conseguir te esquecer
Amor é enxergar a beleza de seu sorriso
Amor, você é tudo que preciso


O amor dura o tempo que durar
O amor, não deseja esperar
É agora
Toda hora é hora de amar


Amor é falar ao telefone de madrugada
Amor é dormir a noite toda abraçada
Amor é sentir o calor do teu corpo na madrugada fria
Amor é tudo o que nos guia

quinta-feira, 16 de maio de 2013

O menino da vida


És um menino
Tão bobo
Tão lindo
Mas não te recrimino...

Acorda menino!
Vai crescer na vida
E pra todo esse desespero
Encontrará uma saída

Verás que a vida
Não fica distraída
E já já coloca à prova
Cobra sua dívida

Vai meu querido
Vai conhecer o mundo
Vai ver os planos
As pragas desse caminho ferido

Menino,
Viverás de uma só vez
Mas não se esquece
(oh menino lindo...)
as coisas boas desta vida
Não esquece também
Tudo que ela te fez.

Sem ninguém, meu bem!




Passo bem sem ninguém
Com você é bom
Sem você também

Mas você me vem sorrindo
Me fazendo mudar
E é tão lindo
E eu mudo, então...

Vou correndo pros seus braços
Acalento meu coração
Deito no teu peito
Enquanto toca aquela canção

Passo bem sem ninguém
Mas prefiro meu bem
Entrelaçar nossas pernas
Nesse inverno
E nos outros também

Vem meu bem
Que já estou me permitindo
Te ver sorrindo
nos ver além

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Divas


Tenho cinco divas
Cada uma em sua essência
Cada uma para si
Cada uma que faz um pedaço de nós

Uma delas representa a natureza
tem uma alma profunda
Dança... Sente... Perde-se
Sempre com muita beleza

Outra Encanta
gira... grita... Espanta
Mas não importa,
Não se entorta
O palco é dela

Tem uma princesa
Mãos que se esticam
Dedos que falam
Alma que chora, implora e ama
Pisa sob rosas

Mas há uma delas...
Que fica feliz por qualquer felicidade
E vive pulando de cidade
É doce e meiga
Derrete-se feito manteiga

Tem uma gatinha
Manhosa e cheia de anseios
Recua...
Mas volta e meia sai
Como um gato de rua
segunda-feira, 13 de maio de 2013

O grito e o silêncio




Para o inferno eu quero que vá os conselhos
Não me importa se me assemelho
A qualquer deslize seu
Eu sou eu

Não me interessa se eu não faço o que você faz
Cuidar de mim já sou capaz
Não quero mais ser de seus dilemas

Feche essa merda dessa porta
Nada mais me importa
Saia, e não diga uma palavra
Quero mostrar o sangue que me lava

Mostro minha escrita
Desafino na minha rima
Porque meu coração grita
Porque meu coração grita
Porque meu coraç...
Porque me..
Porq...

silêncio!
Meu coração se calou.

Uma pedra no teu caminho




Era mesmo uma pedra o nosso caminho
No meio do nosso caminho era amor
Era uma pedra de amor no nosso caminho
Era uma pedra e o caminho do nosso amor

Que você tropeçou
Que você debruçou
E Caiu!!
Você despencou

Era um amor sem razão
Um amor interrompido
Que já nasceu assim
Mal concebido

Um amor que sofre
Por ter que aceitar a morte
Antes mesmo de nascer

sábado, 11 de maio de 2013

Duas amigas, um homem e uma projeção




Apaixonou-se
Duas vezes!
Uma delas por mim...
A segunda por alguém que eu amava

O mundo, grande conspirador e sábio
Mostrou a ele suas fraquezas
Mostrou a ele como a vida tem incertezas
E disse:
"Tarde demais, não adianta voltar atrás."

Agora, apesar de não saber
Apaixonou-se por uma grande ilusão
E sem pena, sem afeição
O mundo cruel, pensa:
"Como és tolo, meu caro."

O mundo há de conspirar
O mundo há de te mostrar:
Que essa projeção é um quadro fiel de tua burrice
Que se deixar dominar assim é tolice
Que tem início, meio e fim
Assim como teve um dia por mim.


Mas então será tarde demais
Porque quem te ama, não espera mais
É tarde demais
É tarde demais

O pensamento burro e
mundano te entortou
Ele já te consumiu
Ele já te cegou
Agora, diz em sua cara torta
Que ela já nem se importa!

Sozinha



Eu e eu
No mais nobre dos sentidos
Sentindo tudo
Assustando o passado
Perdendo-me do destino

Não quero mais convicção
Não quero mais essa prisão
Certezas que me prendem

Aprendendo
Rompendo
Vivendo

No gerundio
No presente
No aqui e agora

Carrego a vida só e sem cárceres
Como deve ser

Fim vagabundo




O seu cheiro me distrai
E tenho andado mesmo distraído
Sem ter pra onde ir
Sem querer ousar sentir

O teu 'não' que me destrói
E tenho andado destruído
Já nem ligo
Cada lembrança me corrói

Seria isso um final triste
Sem saída
Tudo isso porque saíste
De vez
Da minha vida
terça-feira, 7 de maio de 2013

O erro sou eu



Aqui dentro ecoam minhas faltas
Minhas ausências
Minhas angústias e defeitos

Tenho errado nos acertos
É imperdoável
Isso tem me matado
Para mais e profundamente

As escolhas não me escolheram
Sou um grande fracassado
Que se encolhe no frio da madrugada
Que se esconde nos dias ensolarados

Sou aquele que não se deve acenar
Sou aquele que deve-se desconfiar
Sou o que erra sem saber
Sou aquele que mal soube nascer

O erro sou eu

Não se perca




Mesmo com tanta mágoa, com tanta irreflexão
Você há de convir que posso viver sem você
Que posso andar sem os teus pés
Que posso ir à esquina sem te dar a mão

Posso ser de ninguém
Posso estar sem você
Não tenha dúvidas que te quero bem
És meu bem-querer

Hoje sei...
Posso até endeusar você
Mas brilha aí no teu lugar,
não sai do teu lugar
Só por eu te querer

Fica comigo
Mas fica dentro de ti também
Não te perdes
segunda-feira, 29 de abril de 2013

Cantando relíquias




Guarde em seu baú
As porções mágicas de dor
Os rostos de amores
E moléculas de desespero

Leve na sua caixa fabulosa
Pedacinhos do meu coração
Restos de meu sim e do meu não

Coloque dentro de uma cúpula
A orquídea mais preciosa
Que é da cor da mais bela rosa
E coberta de lágrimas de vidro

Transmita para dentro da caixa mágica
A ópera que toca no seu coração
Cante a canção trágica
Pois sua bailarina vai dançar

O cântico de um coração abandonado
Um fim trágico
E o destino traçado:
"Amarás sem ser amado!"
domingo, 28 de abril de 2013

Ansiedade



Ansiar
Ansiedade
Transtorna

Ansiedade de vida
Ansiedade de morte
Ansiedade de medo
Ansiar estar com você

Ânsia de ter
Ânsia para ler
Ânsia para fazer
Continuo sem você

Transtorno que me transtorna
Que me ignora
Luto com a danada da hora

E depois fico em paz
O que já muda tudo agora
Menos a minha ânsia de você

Hoje?
Vou pintar as unhas de preto
Levantar o meu astral
Diminuir o salto
Dançar sem igual

Pisando baixo e sonhando alto
Quero esquecer tudo que faz sofrer nessa vida
Garçon, mais uma bebida!

Simplesmente nostalgia


Os devaneios me encontraram essa noite
E me contaram sobre os meus desejos
Sobre tudo que evito
Sobre tudo que não digo

O resgate das lembranças
Me levou de volta ao passado
Aquele que tentei apagar
Aquele que jurei nunca ter vivido

Então me lembrei
Da cor e do cheiro dos cartões postais
Dos dias tão desiguais
E tão naturais
E aí me deu saudade

Das perguntas que reprimi
Das oportunidades que não me dei
E as que usei
Lembrei dos anseios que afundei
Encontrei um naufrágio no meu coração

Nada mais me desespera
Nada mais me despedaça
O inacabado uma hora se altera
E termina por si só.

É Você


É o cheiro
É a barba
É o cabelo
Que me encanta...
Seu sorriso
Seu cangote
Sua manha
Que me ganha
Seu poema
Seu segredo
Seu desejo
Que me esquenta


Solidão vai embora
E vê se não demora pra juntar seus trapos
Que insiste em espalhar pelo quarto
Leve a sua faca
Que insiste em me enfiar
Sai daqui solidão
Que já é hora de você sumir
Hora de voa pra longe daqui
SAI !!!
Você não tem pena de mim
Você não sabe de nada
Você não precisa saber
Você só precisa ir
sexta-feira, 19 de abril de 2013

Olhos fechados





Com os olhos fechados me pego a imginar
E você vem em minha direção, sorrindo
Continuo com os olhos fechados
E vem você sorrindo para mim

O dia harmonioso, o céu azul e o jardim
E você sorrindo para mim
O vento, a alegria e o cheiro de alecrim
E você sorrindo para mim

Fecho os olhos e encontro o nosso futuro
Fecho-os para te encontrar
Fecho os olhos para ler a minha alma
Fecho-os e anseio por calma

Deixa os meus olhos fechados
Estou dando saltos no jardim
Soltando meus cabelos ao vento

O encontro perfeito
Entre a minha e a sua liberdade
Tão espontâneos como uma chuva de verão
Tão livres e cúmplices da felicidade

Agora não quero mais saltar pelo jardim
No seu peito quero me deitar
Então...
Canta para mim uma canção de ninar
Não me deixa abrir os olhos
Não me deixa parar de sonhar
quinta-feira, 18 de abril de 2013

Sem saída



Entre raios e trovões
se encontram nossos corações
Sem peso nem medida
Digo: não temos mais saída

Se te passa pela cabeça ir embora
O seu peito te implora,
te invade e te cerca

Se me passa pela cabeça te deixar
É... deixa pra lá
Isso não passa pela minha cabeça

Porque não tem mais eu sem você
Porque sou seu bem-querer
domingo, 14 de abril de 2013

A falta

A falta de sentido nos corrói
Destrói
Desconstrói

A falta de sentido nos veio
Veio a mim como a ti
E porque?
E porque não ficar sem saber?

Será ele uma das formas de desespero
Ou só apego?
Apego tanto meu quanto seu

Mas estamos soltas
no ar
sem véu
ao léu
sexta-feira, 12 de abril de 2013

Águas profundas




Só sei nadar em águas profundas
Só sei morrer de medo
Só sei que não nado em águas rasas
porque lá é tudo muito certo

É seguro nadar em águas rasas
Mas eu me interesso pelo perigo
Eu me interesso por não poder ver
Eu quero você

E agora do que adianta?
Encontrar um porto seguro
Do que adianta nadar em águas calmas
Se lá não vou encontrar o que procuro

Pra que sofrer
Se nas águas que nado eu encontro você
Mesmo correndo perigo
É o que eu gosto de ter.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Calma...



















Esse jeitinho maroto
Se esconde em não sei o que
É meu garoto...

Meu garoto tem em seus sonhos,
nossos segredos
tão meus
tão seus


De você só quero amor
Emoção de sobra eu tenho
Eu preciso...
Você precisa...

Preciso ouvir seus poemas
Preciso viajar com você
Preciso conversar com você
Eu preciso, você precisa

Mas tudo está sempre em calma

Mesmo sendo eu um mar revolto
a tempestade que devasta e destrói
a chama que queima e consome
o furacão que joga tudo pro alto

Tudo estará sempre em calma...
E aguado, quieto
Como uma viúva consolada
Como o vento no fim da tarde
Como uma casa esquecida

Calma que eu já vou embora
que tudo voltará
que tudo estará
De volta em seu lugar
sábado, 6 de abril de 2013

Boa noite, Cinderela!




A noite é mais que uma criança
A noite é o lugar feito...
Pra sonhar
Pra brilhar
Pra cantar
Pra dançar
Pra emocionar

A noite é o melhor horário
Pra falar de amor
Pra falar de dor
Pra palavrear no cenário

A noite tem escuridão
Que desperta nosso lado mais escondido
Nosso lado mais esquecido
O nosso não

A noite é mais que uma criança
É hora de enaltecer
É hora de mostrar
A melhor liberdade que há em você

A noite é o sorriso dos fracos
O anseio dos bons
O pensamento forte de alguém

A noite é elevar-se, amadurecer-se
É encontrar seu eu abstrato
seu eu, só seu
E mostrar para os céus
Que é além... que é íntegro
É mais que uma criança
sexta-feira, 5 de abril de 2013

Consumidos



Eu sempre te quis
Eu sempre sorri
Eu sempre te vi
como vejo a lua

A lua que brilha
que não posso tocar
que não posso sentir
só olhar

Nos meus sonhos
posso mais que isso
brinco no seu corpo

Brincamos de desejo
nos consumimos como fogo
E o que resta de nós?

Felicidade



A felicidade esconde-se
naquele desejo pequeno
nos mínimos detalhes

"Uma dose de pinga com sal pra falar de amor, por favor!"
"Hoje, será uma noite de calor!"
"Vou nadar o dia inteiro!"
"Hoje vou pôr dreads no cabelo!"

A felicidade é você
A felicidade é sua
Da felicidade, só você sabe

A felicidade é do outro
Pode ser você
E também ter, de ser, de estar...

Uns tem felicidade de cantar
Outros em amar
Outros nem tanto
Deixe estar

Madrugada vazia



O silêncio da madrugada ecoa
Entra no meu corpo
Invade a minha razão
Me jogo em cima de contradições
A madrugada vazia,
tirou de mim o sentido
roubou das minhas mãos a certeza
Nostalgiou meus desejos
Não consigo sentir
A perda do sentido consumiu meus desejos
Estou a beira de um abismo
Mas não sinto nada
Nada!

Não vá




Não corra
Não saia agora
Fique até amanhecer
Não é hora
De me esquecer

Não vá agora
Pois se for demora
Pra gente se encontrar,
Ver a noite em nós cantarolar

Fique, fique aqui
Ninguém pode ouvir
O nosso sonho cantar
Mas se escutar
Todo mundo há de compreender
Que é bom demais amar

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Tarde demais

tarde demais
é chegada a hora
é hora de decidir
entre o aqui e o partir

tarde demais
já se pode ver as cinzas das horas
pelo chão a se esvair

tarde demais
é hora de seguir
é hora de achar um sonho para o novo caminhar

É hora agora
de desparar corações
ouvir o grito das canções
Encantar outros girassóis

Seguidores